Jean-Jacques Schuhl constrói um verdadeiro romance de não-ficção para contar a história de vida de sua mulher, a cantora alemã Ingrid Caven. Dona de uma voz belíssima, Ingrid começou a cantar muito cedo. Durante a infância, sofria de uma estranha doença de pele de fundo nervoso, curada apenas anos mais tarde, quando a garota se transforma em cantora e atriz de sucesso, atuando nos filmes do cineasta alemão Fassbinder, com quem foi casada.Ingrid é o fio condutor de uma história que é não apenas a dela, mas também a de uma época marcada pela efervescência cultural – os agitados anos 70. Lugares que vão de Nova York a Saarbrücken (Alemanha), cidade natal de Ingrid; elementos da cultura pop e do mundo das celebridades do cinema; personalidades como Yves Saint-Laurent, Bette Davis, Jackie Onassis, Andy Warhol e até Garrincha – tudo se combina neste painel de uma época multifacetada e instável.Só Ingrid permanece. Sua vida daria um romance, mas Jean-Jacques Schuhl narra essa história num gênero que explode os limites entre o romance e a biografia.